Diário de um Ôntico

Diário de um Ôntico

 MANIA!

 

Mania - loucura impregnada e disfarçada de razões científicas - de significar os nossos sentimentos e razões em pedras, madeiras, poeira cósmicas, células e os fazerem falar a partir de nossas perspectivas. Alice no País das Maravilhas vs teoria científica sobre certeza científica do ponto de ebulição da água em condições de atmosfera padrão. Mania, esta é razão pela qual queríamos que um grão de areia nos dissesse quem ele é, o que é de fato, a razão por que é, de onde é e esse "onde" para além da mera localização onde se encontra.  

          Percebo ainda outro exemplo de mania de fazer dos meus processos psíquicos algo da realidade quando digo em meu texto "Sentir o mundo a nível nano tecnológico" blá, blá, blá, na parte da observação um trecho em que digo "..um universo que não para de não desistir". Mas penso: sou parte dele. Não sou ele, nem a totalidade dele, mas faço parte desta totalidade. Quando observo a rede a web de como os bilhões de galáxias estão espalhadas e de alguma forma aparentemente conectados em meio ao vasto universo, lembra-me a rede de conexão neural de um cérebro ou de um átomo.  O que distância de fato aquilo que chamo de meu pensamento de todo o universo: individualidade na pluralidade.  Por exemplo, quando alguém expressa de si, seja um leigo ou um homem de ciência: "...o universo não desiste de não desistir" ou que fosse outro exemplo qualquer "...a natureza está se vingando contra o homem", enfim, ele julga sobre as coisas como estas sendo capazes de igual para igual compreender uma discussão sobre estética, ética e verdade. Mas segundo os - assim estamos acostumados a crer - limites de nossa percepção ou sentidos, leva-nos, de FORMA RACIONAL a concluir que não. O universo é, talvez diriam os que vão pela linha do pessimismo, e diriam que é injusto, porque ele é seco e independente e que não sente como sentimos e segue seu curso de forma mecânica (Descartes XVII) e outros, mais otimistas, que ele é um grande cérebro, e que nós como seres parte desse colossal cérebro, somos ele acontecendo e tentando nos se dar conta disse de forma plena (Avatar o filme?).

            Enfim, mania de transpormos o que é de nossa bagagem no universo ou o que é do universo em nós. Caminhamos sobre o mesmo tempo, o mesmo espaço, e de alguma forma existimos sobre a mesma razões e ainda lutamos por uma idéia do que é e quem é melhor e mais importante. Talvez essa seja a mais doentia mania: competir demais por ser mais que algo ou alguém sem antes entender o que é o mais e o tudo e a responsabilidade de ser o detentor desse tudo, desse mais.

            Manias... uma proposta subjetiva de tentar entender o que essa palavra evoca em meus sentimentos e meu conhecimento quando acionada em minha consciência a partir da soma do que já li ou vivenciei. Não fim.

Postado por Proterquid