...

...

 Giordano Bruno prenunciou o avanço da ciência com suas teorias do universo infinito e da multiplicidade dos mundos. Rejeitou a astronomia geocêntrica tradicional e foi além da teoria heliocêntrica de Copérnico, que ainda admitia a existência de um universo finito.

Filósofo, astrônomo e matemático italiano, Filippo Bruno nasceu em Nola, perto de Nápoles, em 1548. Filho de um soldado, adotou o nome de Giordano ao ingressar, aos 17 anos, no convento de San Domenico Maggiore em Nápoles, para prosseguir os estudos que iniciara com o averroísta G. V. de Colle. Embora alimentasse dúvidas teológicas e se interessasse por livros proibidos, como os de Erasmo, ordenou-se em 1572.

Rebelde por natureza, em fevereiro de 1576 fugiu para Roma, após ser submetido, pelos próprios dominicanos, a um primeiro processo por heresia. Injustamente acusado de um assassinato, enfrentou mais um processo, dessa vez de excomunhão, e em abril do mesmo ano teve de empreender nova fuga. Após abandonar o hábito dominicano e perambular pelo norte da Itália, Giordano Bruno foi, em 1578, para Genebra, onde abraçou formalmente o calvinismo -- para logo, vítima da mesma intolerância, abandoná-lo também. A partir de então levou vida errante, pregando suas idéias em universidades européias e entrando em constantes choques com católicos e protestantes.

Em Paris, Giordano Bruno publicou uma comédia em italiano, II candelaio (1582; O fabricante de velas), vívida representação da sociedade napolitana da época, que no fundo era um libelo contra sua degenerescência moral.

Em Londres, começou a escrever os seis famosos diálogos italianos -- três de caráter cosmológico e três de fundo moral -- que constituem a melhor exposição sistemática de sua filosofia. Em Cena de le ceneri (1584; A ceia de cinzas) defendeu a teoria heliocêntrica e antecipou Galileu ao afirmar que a Bíblia deveria ser seguida em seus ensinamentos morais, mas não nas implicações astronômicas. Em De la causa, principio e uno (1584; Da causa, do princípio e do uno) reduziu o dualismo tradicional da física aristotélica a uma concepção monista do mundo, afirmando a unidade básica de todas as substâncias e a coincidência dos opostos na infinitude do Ser. Em De l'infinito universo e mondi (1584; Do infinito universo e mundos) sistematizou sua crítica ao aristotelismo. Os diálogos da trilogia moral são: Spaccio de la bestia trionfante (1584; Expulsão da besta triunfante), sátira aos vícios e superstições da época; Cabala del cavallo Pegaseo (1585; Cabala do cavalo Pégaso), similar e ainda mais pessimista que a primeira obra; e De gli eroici furori (1585; Dos heróicos furores), onde o ser humano é exortado à conquista da virtude e da verdade.

Regressando à Itália a convite de um patrício, Giovanni Mocenigo, Giordano Bruno acabou denunciado ao Santo Ofício e preso. Foi o próprio Mocenigo, católico fanático, quem o traiu. Após um processo que se arrastou por sete anos, a Inquisição o declarou apóstata e herético impenitente. Sem jamais abjurar suas idéias, foi condenado à morte e queimado na fogueira, no Campo di Fiori, em Roma, em 17 de fevereiro de 1600. Bruno é lembrado não só por seus escritos, mas também como mártir da liberdade de pensamento, pela firmeza com que manteve suas idéias perante os tribunais da Inquisição.

 

“Enciclopédia de Filosofia”

(Internet)

http://encfil.goldeye.info/