....

....

 

Intelectual mais brilhante da revolução russa de 1917 e figura central da política soviética dos anos seguintes, o líder e teórico comunista Leon Trotski superou até Lenin na amplitude de seus interesses e na riqueza de sua intuição.

 

Lev Davidovitch Bronstein nasceu em Ianovka, Ucrânia, então império da Rússia, em 7 de novembro (26 de outubro no calendário juliano) de 1879. Filho de um fazendeiro judeu, estudou por pouco tempo na Universidade de Odessa. Participou da criação da clandestina União de Trabalhadores do Sul da Rússia, de tendência socialista, pelo que foi encarcerado em 1898 e mais tarde desterrado para a Sibéria. Fugiu em 1902 com um passaporte falso em nome de Leon Trotski, que adotou como pseudônimo revolucionário. Refugiou-se em Londres, onde se ligou ao grupo de social-democratas russos, e trabalhou com Lenin na redação da revista Iskra.

 

No segundo congresso do Partido dos Trabalhadores Social-Democratas Russos, realizado em Bruxelas e Londres em 1903, aliou-se à facção menchevique, que defendia a adoção do socialismo democrático, contra Lenin e os bolcheviques. Durante a insurreição de 1905, regressou à Rússia e participou ativamente da organização de greves e outros movimentos promovidos pelo Soviete (conselho) dos Trabalhadores de São Petersburgo. Detido e enviado novamente à Sibéria, Trotski amadureceu nesse período sua doutrina da "revolução permanente", baseada na convicção de que a revolução nacional somente poderia consolidar-se como escala de um processo revolucionário mundial dirigido pela classe operária. Expôs essa teoria de forma detalhada em Balanço e perspectivas, uma de suas obras essenciais.

 

Em 1907 conseguiu fugir de novo e estabeleceu-se em Viena, onde se manteve como correspondente nas guerras dos Balcãs de 1912 e 1913. No começo da primeira guerra mundial foi para Paris, mas atividades antimilitaristas causaram sua expulsão da França e mais tarde da Espanha. Chegou a Nova York em janeiro de 1917 e colaborou com o teórico bolchevique Nikolai Bukharin na edição do jornal em língua russa Novy Mir.

 

Trotsky saudou a revolução de fevereiro de 1917 como o começo da revolução permanente que havia previsto. Regressou à Rússia em maio e assumiu a liderança de uma ala esquerdista dos mencheviques. Depois da tentativa fracassada de tomar o poder em julho, Trotski foi preso. Em agosto, ainda na prisão, ingressou no Partido Bolchevique e foi eleito membro de seu Comitê Central. Libertado em setembro, foi eleito presidente do Soviete de Petrogrado e desempenhou papel essencial nas lutas pela tomada do poder como chefe do Comitê Militar Revolucionário.

 

Nomeado comissário de Assuntos Exteriores do primeiro governo soviético, Trotski dirigiu as negociações de paz com a Alemanha e seus aliados que resultaram no Tratado de Brest-Litovsk. Logo depois da assinatura do tratado demitiu-se do cargo e, em julho de 1918, tornou-se comissário de Guerra, com a tarefa titânica de organizar o novo Exército Vermelho e preparar a defesa do regime comunista contra a ameaça crescente de invasão externa e guerra civil.

 

A eficácia de seu trabalho na organização do Exército Vermelho e a política econômica do "comunismo de guerra" contribuíram para reforçar sua influência e, em 1920, depois da vitória definitiva sobre os contra-revolucionários, passou a ser considerado como o autêntico substituto de Lenin. Na luta pelo poder que se seguiu à morte de Lenin em 1924, entretanto, não conseguiu impor-se sobre Stalin, cujas teses de "socialismo num só país" e tendência à centralização do partido criticou duramente, e em 1926 foi destituído do Comissariado de Guerra. Pouco depois, apesar da união com os antigos aliados de Stalin, Grigori Zinoviev e Lev Kamenev, perdeu os cargos no Politburo e no Comitê Central do Partido Comunista, de que seria expulso em 1927 e, após um ano de desterro em Almaty, foi obrigado a abandonar a União Soviética em janeiro de 1929.

 

Acolhido durante vários anos pela Turquia, quando escreveu muitas de suas obras capitais, como Permanentnaia revolutsia (1930; A revolução permanente) e Istoriia russkoi revolutsi (1930-1933; História da revolução russa), mudou-se para a França em 1933 e, depois de breve estada na Noruega, fixou residência em Coyoacán, perto da Cidade do México, em 1936. Fundou dois anos mais tarde a Quarta Internacional, formada por pequenos grupos antiestalinistas.

 

Foi condenado à revelia como o principal conspirador nos julgamentos dos líderes da oposição comunista realizados em Moscou, de 1936 a 1938, e condenado à morte. Trotski morreu em Coyoacán em 20 de agosto de 1940, assassinado pelo comunista espanhol Ramón Mercader.

“Enciclopédia de Filosofia”

(Internet)

https://encfil.goldeye.info/

“Pausa para a Filosofia”

https://pfilosofia.fateback.com/

https://www.pfilosofia.pop.com.br/